domingo, 29 de janeiro de 2012

Crônicas de Darkwing - Savannah Russe

01 - Além do Limite


A vampira Daphne Urbano escapou da morte, fazendo seu papel perfeito, como espiã para a Equipe Darkwing. Sua primeira missão é aproximar-se de um comerciante de armas inescrupuloso. Mas quando Darius, um sexy assassino de vampiros, começa a perseguí-la, ambos se debatem entre o desejo e o dever. Original. Mas sua ágil jovem presa é também sua última tentação... 






02- Resgate do Passado


Eles dizem, “Sorte nas cartas, azar no amor.” Bem, eu devo ser uma jogadora de poker incrível. Acidentalmente matei o primeiro grande amor da minha vida, e quando outro homem estupendo, finalmente, apareceu (depois de duzentos anos), eu o mordi. Foi uma mordida de amor, é claro, mas para um vampiro, uma mordida de amor é mais do que um chupão. Quando ele se recuperou do choque... bem, estamos falando sobre um rompimento muito ruim. O que me resta é a minha carreira. E isso é bom, porque eu não sou apenas uma vampira. Eu sou uma espiã.





03- Debaixo da Pele


Este foi o inverno do meu descontentamento. Sua causa não é nenhum mistério para mim: minha busca pelo amor acabou em um beco sem saída. Bem, essa é a minha desculpa. Os budistas dizem que para encontrar a paz interior, devemos deixar ir os "anexos", todas aquelas coisas boas que realmente importam.
O meu grande "anexo" é um bonitão, o sexy Darius della Chiesa. Eu acho que, para estar sempre iluminada, preciso "deixar ir" o meu sonho de amor verdadeiro.
Eu caí duro, até agora, duas vezes na minha vida. Nenhum romance acabou bem. Acabou tão mal quanto um relacionamento pode começar. A primeira vez que caí de cabeça foi um desastre e uma perda trágica para a história literária. Isso aconteceu quando mordi e matei Lord Byron. Na segunda vez que senti paixão, aprendi a não confiar em um cara de boa aparência. Darius balançou e eu fiquei em suspenso.
Mas, agora, tanto quanto me concerne, o Sr. della Chiesa pode beijar a minha doce bunda. Estou seguindo em frente. Tenho coisas mais importantes em minha vida - como salvar a América. Você verá. Eu não sou apenas um vampiro. Eu trabalho para o governo dos Estados Unidos. Eu sou uma espiã.






04- Pelo Sangue


Pode uma vampira como eu se vestir de branco para caminhar até o altar? O branco é tradicional, mas parece inadequado. Minha alma não é nada pura, tal qual a neve. Na verdade, é vermelha, rica, escura, minha cor favorita e carvão-negro me serve muito bem, sendo ao mesmo tempo simbólico, pelos meus pecados e eminentemente mais prático. Prático? Ah, sim. Veja você, minhas roupas muitas vezes ficam manchadas pelo sangue das minhas vítimas, uma mancha difícil de lavar e tirar. Pessoalmente, não me atrevo a enviar estas peças com esse tipo de mancha para a tinturaria. Isso suscitaria muitas perguntas.Decepção é o meu jogo. Habilidades essas que me mantiveram viva por mais de quatrocentos anos. Coincidentemente, elas agora me tornam muito boa no meu trabalho. Permita que eu me apresente. Meu nome é Daphne Urban. Trabalho para o governo dos Estados Unidos. Nestes tempos de tumulto e terror, eu protejo e sirvo... Ao meu próprio modo.





05- Na Escuridão




Eu não quero chamar a atenção, é claro. Prefiro ficar fora do radar para permanecer como uma criatura anónima que vaga pelas ruas de Manhattan à noite. O segredo é o meuUm vampiro é o que um vampiro faz. Minha mãe não me disse isso. Percebi por mim mesma. Claro, demorei mais de quatrocentos anos para perceber. Passei por humana todos estes séculos. Mas, sob uma inspeção mais cuidadosa (note as minhas presas, minha pele branca translúcida, a minha reação ao alho), fica evidente que não sou. Além do óbvio, deixe-me explicar o meu jeito de ser vampiro.


Não posso morrer se não for através de uma estaca no coração (o método preferido de quem nos odeia), ser exposta ao sol ou ser atingida em um lugar macio e vulnerável com uma bala feita de prata. Tremo só de pensar nisso.
Devo beber sangue, de preferência humano, mas animal também serve.
Eu sou, devido à minha natureza, viciada em imoralidade, buscando o prazer em todas as suas formas, sem importar o quanto eu tente ser casta. E eu tento ser casta. Mas falho miseravelmente o tempo todo. Vivo entre milhões de pessoas na maior cidade do mundo, mas sempre serei uma forasteira. Jamais poderei me encaixar. Agora você pode entender por que tenho a chance proverbial de uma bola de neve no inferno, de ter qualquer compromisso, a longo prazo, numa relação homem-mulher.
Continuo tentando. Porque, mais do que qualquer outra coisa, preciso de perdão, redenção, e, oh, sim, do verdadeiro amor. Vivo na escuridão, mas acredito que, no fundo do meu coração, eu possa encontrar a luz. Sem mais delongas, deixe-me apresentar-me. Eu sou vampira. Mas sou aquela que está andando para frente, tentando acumular algum carma bom. Tenho nome, classificação, número de série e um trabalho no governo. Sou a Agente Daphne Urbano, espiã americana. forte. 






Nenhum comentário:

Postar um comentário