ATENÇÃO!

POR MOTIVOS DE TERCEIRO, TIVE QUE FAZER UMA MUDANÇA NO BLOG. PARA QUE EU POSSA MANTÊ-LO NO AR, PRECISEI MUDÁ-LO PARA PAGO. ASSINANDO POR APENAS R$5,00 POR MÊS, QUE VCS PODERÃO PAGAR ATRAVÉS DO PAGSEGURO OU DEPÓSITO. E ASSIM, PODERÃO CONTINUAR USUFRUINDO DOS LIVROS.


OBS: E ESPERO QUE ESTE PEQUENO VALOR NÃO SEJA UM OBSTÁCULO PARA CONTINUAREM NO BLOG.

OBRIGADA E XOXO.

sábado, 21 de janeiro de 2012

A Pedra da Luz - Christian Jacq

01- Nefer, O Silencioso




Por volta da meia-noite, nove artesãos guiados pelo seu chefe de equipa saíram do Lugar de Verdade e começaram a subir por um carreiro estreito iluminado pela lua. Oculto por trás de um bloco de calcário, no cimo de uma colina que dominava o Lugar de Verdade, a aldeia dos construtores do Faraó instalada no deserto e rodeada por muros que preservavam os seus segredos, Méhi conteve um grito de alegria. Há vários meses que o tenente de transportes tentava apanhar informações sobre aquela confraria encarregada de escavar e decorar os túmulos do Vale dos Reis e das Rainhas. Mas ninguém sabia nada, com excepção de Ramsés o Grande, protector do Lugar de Verdade onde mestres-de-obras, talhadores de pedra, escultores e pintores eram iniciados nas suas funções essenciais para a sobrevivência do Estado. A aldeia dos artesãos tinha o seu próprio governo, a sua própria justiça e dependia directamente do rei e do seu primeiro-ministro, o vizir...


  

02- A Mulher Sábia








Depois da morte de Ramsés o Grande, os artesãos do Lugar de
Verdade estão inquietos. Quem sabe se o novo Faraó desejará continuar a obra do pai e proteger por sua vez a prestigiosa aldeia, cujo futuro
parece ameaçado? Porque a aldeia está em perigo, apesar da vigilância de
Clara, tornada a Mulher Sábia da confraria. Néfer, dito o
Silencioso, é acusado de fraude e actos tirânicos. Os
alimentos e a água não são entregues, as ferramentas são sabotadas, apesar de rigorosamente guardadas, a reserva de
metais preciosos diminui e, sobretudo, uma coligação de tropas
inimigas agrupam-se nas fronteiras, enquanto em Per-Ramsés, a
capital das Duas Terras, as intrigas dos cortesãos enfraquecem
o poder. Roubos, assassínios, inundações, sortilégios e traições,
nada é poupado aos heróis desta aventura em que as
conspirações se sucedem num Egipto de lenda, que o talento de

Christian Jacq nos oferece em todo o seu esplendor.



  

03- Paneb, O Ardoroso





Penetrar por arrombamento no templo do Lugar de Verdade, a aldeia secreta implantada na margem oeste de Tebas, para roubar um tesouro inestimável: era essa a missão dos cinco homens que tinham conseguido aproximar-se da zona interdita.
Pensando na enorme recompensa prometida, o guia do comando sorriu: ninguém, nem mesmo Sobek, o chefe da polícia local, podia prever tudo. A operação era tanto menos arriscada quanto os ladrões beneficiavam da cumplicidade de um traidor no interior da confraria que se considerava bem protegido, por trás dos seus altos muros. O coração do traidor batia acelerado. Aproveitando o período perturbado durante o qual o novo Faraó ainda não fora coroado, ele e o seu comanditário tinham decidido tentar um golpe de força enviando um bando de aguerridos bandidos apoderar-se da Pedra de Luz, pela qual velavam ciosamente os artesãos
encarregados de escavar e decorar as Moradas de Eternidade dos faraós no Vale dos Reis...


  

04- O Lugar da Verdade






O Lugar de Verdade está de luto... O mestre-de-obras Néfer, o Silencioso foi selvaticamente assassinado e uma sombra
maléfica paira todas as noites sobre a aldeia, provocando o
terror na confraria.
Em Per-Ramsés, a atmosfera não é melhor: a Rainha Tausert faz
o que pode para manter a paz, mas o seu poder é contestado
pela casta militar que deseja à frente do Egipto um homem
forte.
A bela Tausert precisa de ajuda e vai procurar Paneb. Uma
terna amizade nasce entre eles, mas pode realmente um simples
mortal aproximar-se de uma divindade?
Paneb sente-se muito só, embora a sua autoridade seja
finalmente reconhecida pelo Lugar de Verdade. Tem de velar por
Clara, a Mulher Sábia, cuja vida é ameaçada, fazer
constantemente frente aos ataques do traidor, procurando cada
dia uma inspiração nova para criar as obras-primas das Moradas
de Eternidade dos Faraós... Mas o desaparecimento de Néfer,
seu pai espiritual, mergulha-o em tal tristeza que o
desencorajamento começa a dominá-lo, assim como a conduta
irresponsável do seu filho Aperti, que se vê forçado a
expulsar do Lugar de Verdade.
E se Paneb, o Ardente renunciar, quem será capaz de
salvaguardar a existência do Lugar de Verdade e a grandeza e
força imortal do Egipto? Quem irá acabar por julgar os
temíveis Mehi e Serketa, e quem irá descobrir o traidor
infiltrado na confraria que tanto mal causou ao longo dos anos?

  





Nenhum comentário:

Postar um comentário